terça-feira, abril 25, 2006

EVO MORALES E OS RECURSOS NATURAIS

Roda Viva

  • O Roda Viva de hoje trouxe uma entrevista com o presidente da Bolívia Evo Morales feita na sexta-feira passada em La Paz. O fato dos jornalistas brasileiros estarem desiludidos com o PT, Lula e a esquerda em geral, talvez não justifique a cobrança, frieza e até certa arrogância em relação a um presidente que assumiu um governo com os problemas que tem a Bolívia. Muito menos a idéia de defesa (sutil) da Petrobras face às críticas de Morales. Denúncias de que a Petrobras vem desrespeitando a legislação ambiental e os territórios indígenas em países como a Bolívia e o Equador estão no site amazônia.org.br e outros endereços internacionais dos movimentos indígenas todos os dias e há muitos anos. Seria muito útil se a imprensa brasileira aprofundasse esse tema sem preconceitos.

  • Fora esse sentimento de superior indiferença (ou dejà vu) que o Brasil sempre passa quando fala de outro país da América Latina, a entrevista foi muito boa. Ouvir um presidente dizer em claro e em bom som que o Estado precisa controlar a exploração dos recursos naturais para o país crescer é uma mensagem básica para a AL e muito difícil de ser inserida no modelo de desenvolvimento. Talvez esse esteja sendo o objetivo da Bolívia porque não conta com outra saída. Ou melhor, por isso mesmo tem até mais valor, porque poderia estar sendo exatamente o contrário - já que só tem natureza vamos acabar logo com ela em nome do desenvolvimento, como tem acontecido por aqui.

  • Uma das dificuldades certamente será enfrentar a pressão dos EUA. E o fato que noticiei aqui neste blog em fevereiro, da senadora boliviana Leonilda Zurita, que teve seu visto suspenso e não pode participar de um seminário na Universidade da Flórida - foi mencionado por Morales. Disse que solicitou aos EUA que informe antes a lista das pessoas que não terão visto para que não sejam humilhadas ao chegar no aeroporto e ter o visto cancelado na hora de embarcar como aconteceu com ela. Em troca dessa delicadezao, seu governo também vai apresentar a lista de norte-americanos que não serão bem-vindos na Bolívia.

  • Temas como estes serão objeto do curso que vou dar para a pós-graduação, na Universidade da Flórida, neste segundo semestre sobre "Amazônia: Políticas Públicas para Conservação e Desenvolvimento" (The Amazon: Public Policies for Conservation and Development). Será um curso sobre a Pan Amazônia, a Amazônia Continental, a Amazônia Internacional, ou seja todos os países amazônicos pensados juntos estrategicamente na formulação de políticas públicas de desenvolvimento e meio ambiente. Será também um curso estilo seminário porque todos os especialistas em Amazônia que lecionam na UF ( e talvez alguns de fora) serão convidados a dar um aula e eu vou fazer os ganchos e elos entre os temas. Certamente será uma experiência inovadora e vou aprender tanto quanto ensinar. Sugestões de temas, autores, idéias são bem vindas.

  • A grande questão que me atormenta neste tipo de debate em sala de aula, é até quando a sociedade americana vai continuar quieta, respaldando a política internacional de Jorge Bush. Não falo da do Iraque mas da América Latina. Será muito importante que os intelectuais americanos aprendam a criticar seu país e exijam a mudança das regras. Passamos vinte anos descobrindo formas de questionar uma ditadura, muitos morreram por causa disso, uma democracia foi conquistada e está se fortalecendo e consolidando. Enquanto a chamada maior democracia das Américas está calada! Somente quando os americanos saem dos EUA e visitam outros países é que percebem, como relatou uma aluna minha ao vir ao Forum Social Mundial em 2005, como são odiados e começam a se perguntar porquê. Qualquer mudança, hoje, na AL e no meio ambiente, depende muito do que a sociedade americana será capaz de fazer nas próximas eleições.

Altino Machado

  • Altino Machado que tem o blog mais rico que conheço, em informação e temas, reclama da minha ausência na blogosfera - fico mais de uma semana sem voltar ao meu blog! Mas Altino, que culpa eu tenho de não acontecer tanta coisa interessante aqui em Curitiba! Impossivel competir como Acre. Curitiba é uma gracinha de cidade, planejada, moderna, limpa e organizada. Gosto de tudo isso. Mas às vezes me pergunto: como conectar esses dois mundos tão distantes?

  • Na verdade, Curitiba vai se conectar com o Acre até o final do ano de uma forma surpreendente. Mas isso é surpresa - é um projeto que a Secretaria de Meio Ambiente vai implementar em memória de Chico Mendes. Conversa para daqui alguns meses. É por isso que não tenho tido tempo de blogar, Altino, estou envolvida nessa novidade.

  • Era eu que estava online no seu blog agora, 1:54. Até mais.

5 comentários:

Altino Machado disse...

Querida Mary, como não acontece tanta coisa interessante no Paraná quanto no Acre, gostaria de saber o seguinte: Você foi contratada pelo Governo da Floresta com consultora para finalizar a proposta do programa piloto de conversão de dívida externa em investimentos no Acre. A proposta inicial foi aprovada pelo Ministério da Fazenda e chegou a ser apresentada ao Tesouro dos EUA, em Washington, pelo governador Jorge Viana. A promessa era de que a sociedade tomaria conhecimento da proposta em março. O que você nos conta a respeito disso? Agradeço de coração pelas suas referências elogiosas. Um forte abraço.

Altino Machado

Mary Allegretti disse...

É importante acompanhar esse projeto, Altino. Será uma iniciativa pioneira e duradoura, inteiramente voltada para as ONGs. Durante o semestre passado o Governador fez as articulações em Washington e Brasília e, em dezembro e janeiro eu entrevistei os principais órgãos de governo e as ONGs para construir uma veresão preliminar para discussão. Antes de chegar na versão final o Governador Jorge Viana certamente irá apresentar à sociedade e, depois de incorporar as mudanças, estará pronto para ser encaminhado ao Ministério da Fazenda e ao Tesouro dos Estados Unidos. Será a primeira troca da dívida por meio ambiente realizada no Brasil.

Extremeno Romano disse...

Querida Mary,
è segunda vez que vou visitando o seu blog. Isso quer dizer que a primeira vez gostei. Voçe nao vai-se espantar se declaro-lhe que eu sou um espanhol que vive na Italia, mas que jà passei tambem pela Africa... sò no Brasil nunca estive... ainda!
Sinto-me gratamente sorprendido pelo facto que voçe vive e trabalha num pais, o grande Brasil, que està muito afastado fisicamente do meu mundo, mas assim e tudo as causas e as batalhas nas quis voçe milita estao todas elas muito perto de mim, da minha sensibilidade e preocupaçoes: è um caso tipico de distancia material mas com grande proximidade emocional.
A defensa das populaçoes nativas, a salvaguarda dos direitos humanos, a conservaçao das florestas, o respeito pelo equlibrio da natureza e uma gestao controlada dos recursos naturais sao os grandes desafios para poder garantir um futuro à humanidade. Isso sta certo para mim! Portanto, parabens as pessoas corajosas como voçe e a todos aqueles que lutam por um mundo mais justo e mais humano para todos e nao apenas para os poucos privilegiados dos paises ricos.
Faço votos para que voçe nao desanime perante a indiferencia e o comodismo consumistico das maiorias tolamente estupidas e satisfeitas do proprio aparente bem-estar.

Antonio Hueso
Roma

Mary Allegretti disse...

Caro Antonio

Fico feliz com sua visita ao meu blog e com a identidade nos temas e posturas. Continue lendo e comentando e venha conhecer o Brasil que você certamente vai se impressionar com as coisas incríveis que são feitas aqui.
abraço, Mary

olho de rua disse...

Sra. Mary,

Faço minhas as palavras do Sr. Antonio Hueso´, sobretudo nos elogios
a vc.

Vou pro próximo post>>>